Neymar perde popularidade como influenciador e tenta recuperar imagem

Neymar e GilletteEra noite quando eu e a família assistíamos TV. De repente, Neymar invade os comerciais em um misto entre propaganda, desabafo e (finalmente) um pronunciamento sobre o que havia acontecido na Copa.

A assinatura final pela marca Gillette não deixava dúvidas, era mesmo uma ação comercial apoiando o pronunciamento de Neymar. Uma hora depois, recebo o pedido de um jornalista do Meio&Mensagem, principal veículo de marketing brasileiro, para opinar sobre o assunto (aqui).

Mas a verdade é que esse caso rende muito pano pra manga e muitas lições para nós, influenciadores.

Entenda o Caso Neymar

Uma breve contextualização: a propaganda de Neymar não foi novidade. Como a imprensa especializada noticiou, essa estratégia já foi usada pelo próprio Neymar em duas ocasiões (quando seu comportamento culminou na demissão de um técnico do Santos Futebol Clube e quando saiu da Copa anterior, lesionado em campo).

Pesquisa recente do Ibope mostrou que a popularidade de Neymar como influenciador digital e a rejeição a ele dobrou nas redes sociais em todo mundo. O jogador foi assunto em mais de 25 milhões de postagens nas redes sociais, somando Facebook, Twitter, Instagram e YouTube, superando Messi (20 milhões) e Cristiano Ronaldo (17 milhões). Destas, a maioria tinha conteúdo negativo.

Foram analisadas publicações entre 1º de junho, duas semanas antes da abertura da Copa da Rússia, e 18 de julho, três dias após a final. Na véspera da estreia do Brasil, diante da Suíça, Neymar tinha 28% de citações negativas. Mas esse número mais que dobrou a partir do primeiro jogo (61%) e chegou a 68%, até o dia seguinte à eliminação.

As lições para nós, influenciadores

Poderia citar aqui uma série de casos recentes de influenciadores que perderam contratos com grandes marcas por causa da sua postura, principalmente nas redes sociais.

O mais recente foi o de uma modelo kuwaitiana com mais de 2,3 milhões de seguidores que fez comentários preconceituosos sobre imigrantes e perdeu o contrato com marcas de beleza como a MAC. Isso pra não entrar nos episódios de youtubers e atores brasileiros.

Mas por que as marcas tendem a abandonar um influenciador nesses casos? Porque, quando uma marca se associa a um influenciador (leia-se a uma figura pública), além de vender ela quer transferir para si alguns dos atributos da marca pessoal dele. Seja beleza, seja juventude, seja “ousadia e alegria”.

Quando a sua comunidade passa a atribuir elementos negativos à sua imagem (imaturidade, falta de profissionalismo, xenofobia etc…), esses atributos podem ser passados para as marcas que estiverem com você.

E como construir uma imagem sólida e positiva?

1 – Você precisa ter em mente que você é uma marca. E essa marca deve ser construída com o mesmo cuidado que se constrói a marca de uma empresa, desde o início. Steve Jobs não escolheu uma maçã e o nome Apple ao acaso, na garagem da sua casa. Quanto mais cedo você tiver consciência da marca que quer construir, mais longe você consegue ir. Ensinamos isso no curso Do Zero Aos 10K (veja aqui)!

2 – Essa marca pessoal precisa estar alinhada com você, sua personalidade e seu propósito. É isso que vai transmitir verdade para as pessoas. E, quanto mais verdade você transmitir, maior a conexão das pessoas com você. Esse é o grande poder do influenciador: conexão.

3 – Se você tem um propósito (ser o maior jogador do mundo ou, no meu caso, ajudar mulheres a empreenderem por meio da influência digital) e esse propósito está internalizado, você vai ter mais foco e vai resistir mais às distrações no caminho.

4 – Todo mundo que tem uma marca precisa fazer a boa gestão dessa marca (branding). Está em dúvida? Não poste. Acha que errou, mesmo querendo acertar, peça desculpas. Talvez se Neymar tivesse se pronunciado à imprensa no mesmo dia da eliminação, tivesse dito que não aguentou a barra de apanhar em campo, que estava frustrado com o resultado… Talvez fosse mais fácil recuperar sua imagem.

E aí, como anda sua marca pessoal nas redes? Já sabe como construir sua marca, se diferenciar, aumentar sua conexão com seus seguidores e fazer o seu branding? O método “Do Zero aos 10K” pode te ajudar! 🙂


Um beijo e até mais!

Dani Almeida
Jornalista, Consultora de Imagem e Especialista em Influência Digital