De 375 assinantes a 3.240 em apenas 1 semana, no YouTube

youtubeUm ano mentorando influenciadoras digitais e 400 alunas depois, toda vez que menciono a importância de se trabalhar o YouTube, ouço a mesma coisa: “nossa, mas demora muuuito pra crescer no YouTube, eu nunca vou chegar lá”.

Antes de te contar a história da Paula, preciso te confessar que eu mesma não queria criar meu YouTube. Tinha um misto de vergonha com descrença. Até que resolvi criar meu canal por conta do curso. Precisava estudar a plataforma, aplicar minhas técnicas no meu canal para saber se elas dariam certo e para, só então, ensiná-las.

Eu sabia que os influenciadores digitais que mais ganhavam dinheiro estavam no YouTube e não no Instagram, apesar de eu gostar muito mais do Insta, na época. Meses depois, um vídeo viralizou e passei de 500 assinantes para 7,5 mil. Eu estava certa, era possível.

Comecei a aprender tudo sobre SEO (Search Engine Optimization, técnicas de otimização do seu canal ou blog para aparecer bem nas buscas), descobri ferramentas e passei a desenvolver minhas estratégias de crescimento. Em pouco mais de um ano, meu canal está quase batendo os 100 mil assinantes (são 78,9 mil, enquanto escrevo esse texto). Nunca promovi um vídeo, tudo isso 100% orgânico.

Mesmo com a minha trajetória, muitas mentorandas e alunas ainda têm dificuldade em acreditar que é possível ter sucesso também com o YouTube.

Isso porque o YouTube cresce em picos, não cresce em uma linha ascendente e linear. É algo que você constrói para começar a colher frutos em médio e longo prazo. Mas, quando colhe… pode ser uma fonte de renda infinitamente maior que o Instagram. Além do fato de ser uma tiro no pé construir sua influência digital baseada apenas em uma rede social, que nem é sua, como um blog.

Mas como ganhar dinheiro no YouTube? O Google (dono do YouTube) paga pra veicular anúncios nos seus vídeos, você ganha por vídeos patrocinados. Quando seu canal começa a crescer, você pode vender publicidade nos seus vídeos e é aí que estão os maiores cachês, muito maiores que os patrocínios nos publis do Instagram, muitas vezes.

Recentemente, a revista Forbes divulgou que um grande influenciador no Brasil ganha, em geral, entre R$ 50 mil e R$ 150 mil por campanha no YouTube, onde estão os maiores faturamentos. A campanha pode incluir, além de menção em vídeo, posts nas redes sociais. Alguns canais conseguem patrocínio de um ano por milhões de reais.

Como a Paula bombou seu canal

Voltando para a história que gerou esse post, a Paula Barone (@superdicasdapaula_), uma das minhas primeiras alunas e mentorandas, também achava o YouTube algo impossível.

Quando mostrei que meu canal tinha batido um faturamento de mais de 700 dólares em um mês, quando um segundo vídeo meu havia viralizado, ela se animou. Depois vieram as mudanças nas regras de rentabilização do YouTube (falei disso aqui) e ela desanimou de novo.

Ela só não desistiu do canal porque, acredito, eu sempre peguei muito no pé dela com isso (risos!) por acreditar que o conteúdo dela é perfeito para o YouTube. Tem tudo a ver com o que as pessoas buscam, na plataforma.

Semana passada, ela subiu um vídeo sobre como cobrir cabelos brancos sem precisar tingir. Finalmente, o vídeo atingiu 98 mil visualizações. Com isso, o canal da Paula foi de 375 assinantes a 3.240. Tudo isso em apenas uma semana.

E você, já criou seu canal? Conta pra gente! =)

Agora, se você deseja começar do zero, conhecer estratégias para acelerar seus resultados como influenciadora, ou usar a influência digital para crescer o seu negócio, não importa o seu tema, ou o seu nicho, CLIQUE AGORA, porque o método “Do Zero aos 10K” funciona pra você também. 😉


Um beijo e até mais!

Dani Almeida
Jornalista, Consultora de Imagem e Especialista em Influência Digital

 

2 Comentários


  1. gostei do seu site muito interessante o conteúdo, queria te dar os parabéns e dizer que vou acompanhar mais vezes para saber sempre as novidades. Bjus

Comentários encerrados.